Os cegos e o elefante: mitos e verdades sobre o BIM

Era uma vez seis amigos, todos cegos, que moravam na Índia, terra dos maiores animais da Terra: os elefantes. Naturalmente, não tinham a menor ideia de como era um elefante. Um dia, estavam sentados a conversar quando escutaram um urro.

– Acho que está passando um elefante pela rua – disse um deles.

– É a nossa oportunidade de descobrir que tipo de criatura é esse tal de elefante. – E foram todos para a rua.

O primeiro cego esticou o braço, tocou na orelha do elefante e pensou: – “Ah! O elefante é uma coisa áspera, ondulada. É como um leque.”

O segundo cego pegou na tromba e concluiu: – “Agora entendo. O elefante é uma coisa comprida e redonda. É como uma cobra gigante.”

O terceiro cego agarrou-se a uma perna do elefante e certificou-se: – “Eu jamais iria adivinhar! O elefante é alto e forte, como uma árvore.”

O quarto cego pegou o lado da barriga do elefante dizendo para si mesmo: – “Agora eu sei. O elefante é largo e liso como uma parede.”

O quinto cego passou a sua mão por uma das presas do animal, assustando-se: – “O elefante é um animal duro e pontiagudo como uma lança.”

O sexto cego pegou no rabo do elefante e decepcionou-se: “Ora, ora! Mas esse tal de elefante é apenas uma coisinha como uma cordinha fina!”

Posto isto sentaram-se juntos novamente, para falar sobre o elefante.

–Ele é áspero e ondulado, como um leque! – disse o primeiro.

– Nada disso; é comprido, como uma cobra – disse o segundo.

– Não digas asneiras! – riu o terceiro. – Ele é alto e firme, como uma árvore.

– Ah, nada disso – disse o quarto. – Ele é largo e liso, como uma parede.

– Duro e pontiagudo, como uma lança! – gritou o quinto.

– Fininho e comprido, como uma cordinha! – esganiçou-se o sexto.

Então começaram todos discutir com exaltação, à beira da violência física. Cada um insistia que tinha razão. Afinal, não tinham tocado com as suas próprias mãos o corpo do animal?!

O dono do elefante ouviu a gritaria e decidiu ver que confusão era aquela.

– Cada um de vós está correto no que afirma, segundo o que vos foi dado conhecer; mas cada um de vós está igualmente errado – disse ele. E continuou, sentenciando: – Um homem sozinho não consegue saber toda a verdade, só uma pequena parte dela. Porém, se trabalharem juntos, cada um contribuindo com a sua parte para a formação do todo, aí sim podem obter sabedoria.

E é exatamente isto que acontece com o BIM hoje. Somos todos cegos em torno de um elefante. Discutimos incessantemente sobre o que é o BIM, sua capacidade, qual a melhor ferramenta, quais as suas implicâncias… Mas o que perdemos de vista é justamente o motivo pelo qual ele surgiu: trabalharmos juntos, cada um contribuindo com a sua parte para formação do todo chegando finalmente a sabedoria. A comunicação, a colaboração, a integração e a tecnologia são elementos que por si só já são muito maiores do que o BIM individualmente.

Para não se perder de vista, e enxergar apenas um pequeno espectro do BIM foram reunidos os principais mitos e verdades no infográfico a seguir. E caso você queira saber ainda mais assine nosso newsletter, nos siga no Facebook ou ainda confira esse post MARA!

 [/read]

About Author:

Engenheira Civil com pós graduação em Gerenciamento e Execução de Empreendimentos da Construção Civil atualmente realizando mestrado profissional em Gerenciamento de Projetos na USP e MBA em Business Intelligence. É Business Developer da BIMObject, além de ser super sorridente, entusiasta e feliz (quase o tempo todo).

One thought on “Os cegos e o elefante: mitos e verdades sobre o BIM

Dúvidas, sugestões ou comentários?