BIM e SUSTENTABILIDADE

Eficiência em novas formas de projetar

É visto o crescente interesse de propostas conectadas com a natureza, na tentativa de buscar saídas inteligentes para a solução dos problemas do planeta. Com isso, o conceito da tecnologia BIM juntamente com a sustentabilidade oferece soluções harmônicas, práticas e econômicas, propostas como: readequação do uso de energia elétrica, energia solar, eólica, hidroelétrica, racionalização da iluminação, sistemas de ventilação cruzada, materiais com perfis ecológicos, sistema de biodiesel e outras fontes de energia limpa, sistemas de redução do consumo de água, captação de águas pluviais, reuso da água, tratamentos eficientes de esgoto, entre outros. Esse panorama geral da arquitetura cria uma interação harmônica com a natureza ao redor, visando um sistema produtivo sustentável.

BIM e sustentabilidade é pensar em propostas eficientes para novas formas de arquitetura, preservando o meio ambiente e seus diversos ecossistemas, visando um novo modo de vida, uma nova educação ambiental, uma nova conscientização geral do impacto do desenvolvimento humano no planeta.

O processo de projeto em relação à concepção de uma arquitetura mais próxima dos sistemas computacionais e experimentações do mundo natural, demandam do uso do ambiente virtual e de software paramétrico que contribuam para a criação de espaços e formas que refletem o funcionamento da natureza e uma arquitetura auto organizável, adaptativa e sustentável.

Neste contexto, as relações entre o sistema BIM e a sustentabilidade partem do pensamento em como realizar uma arquitetura que interaja com seu contexto ecológico, evolua com ele, promova a redução de impacto ambiental, favoreça sustentabilidade, valorização dos hábitos e práticas de uma sociedade.

Desta forma, é válido uma reflexão em direção a construção dos novos modos de se fazer arquitetura que tenham em seus processos a interdisciplinaridade da arquitetura, ecologia e ambiente virtual com os processos de projeto digital em BIM.

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL E PARAMÉTRIA EM BIM

Como exemplo da representação de arquitetura sustentável em BIM com princípios geométricos, cito o edifício The Bubble (Figura 1), desenvolvido pelo escritório Bernard Franken, sob o tema ''Energia Limpa'', que serviu por duas vezes como pavilhão da BMW em exposições na Alemanha. O software utilizado foi o Alias WaveFront, que simulou as forças físicas de atração entre duas bolhas dotadas de massa unidas sobre a influência da gravidade.

Esta proposta tem como finalidade associar os conceitos de arquitetura sustentável com arquitetura paramétrica, que podemos considerar em comum às propostas de espaços variáveis, flexíveis e eficientes como um organismo vivo, as relações com as formas da natureza, reciclagem de materiais, elementos adaptáveis, sistemas autorreguláveis, uso da tecnologia por computadores, criatividades arquitetônicas, entre outros.

Figura 1 - Bubble BMW Pavilion, Bernard Franken. Fonte: Kolarevic, 2003, p. 21.

Arquitetura sustentável e arquitetura paramétrica visam a variação dinâmica da forma produzida pela tecnologia em computador, softwares paramétricos. Uma arquitetura destinada a ser complexa e orgânica, onde a forma geométrica é elástica na sua capacidade para contorcer e em deformar um processo de transformação contínua.

Os softwares paramétricos destinados a uma arquitetura sustentável podem apresentar modos de conceber, visualizar, gerar, desenhar e modelar formas físicas a partir de elementos naturais, onde cadeias de informação permitem que a forma se torne arquitetura com uma maior precisão, maior sustentabilidade, mais eficiência.

As tecnologias digitais, mais precisamente os parâmetros da arquitetura, apontam para modelos eco sustentáveis, um meio de representação que permite explorar uma nova arquitetura, novos espaços de experiência e relacionamentos, onde o arquiteto define seus parâmetros e modela novas formas, como exemplo a figura 2, estudos paramétricos a fim de obter mobiliários urbanos.

Figura 2 - Biodigital Chair. Fabricado digitalmente com rasgos de madeira coberto com grama natural. Fonte: Alberto T. Estévez, 2010.

Em ambiente virtual, quando obtemos uma visualização ecológico-ambiental de formas que possibilitam novas visões de arquitetura sustentável, esta arquitetura não é apenas visual ou virtual: é real. O ambiente virtual oferece inúmeras possibilidades de formas, define formas interessantes para tornarem-se reais.

A utilização de ferramentas digitais que possibilitam diferentes tipos de análises de condicionantes são eficientes para desenvolver novas concepções de projetos, dada a sua capacidade de lidar com grandes quantidades de cálculos, parâmetros, informações, interações e formas orgânicas que são demasiadamente complexas para serem operadas pela mente humana.

Processos sustentáveis em ambiente virtual estão abrindo novos territórios na exploração de conceitos e formas variadas. Isto habilita o projetista a produzir e executar formas complexas que, até a pouco tempo, não poderiam ser projetadas e construídas com os meios tradicionais.

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO SOFTWARE REVIT ARCHITECTURE

Um exemplo de projeto paramétrico e sustentável desenvolvido no software Revit é o Complexo Multifuncional Vitalidade Urbano, da arquiteta Carolina Araújo, partindo da natureza como maior fonte de inspiração, proposta futurista que busca conciliar o desenvolvimento comunitário com crescimento urbano, sustentabilidade, qualidade de vida, eficiência, alta tecnologia, funcionalidade e visão de futuro para o desenvolvimento da comunidade.

O Complexo Multifuncional Vitalidade Urbano é composto por 3 torres, torre de escritórios com 36 pavimentos (8 salas comerciais de 40m² por pavimento), torre residencial com 24 pavimentos (1 unidade habitacional por pavimento), torre hotel com 12 pavimentos (55 unidades habitacionais) e o embasamento composto por galerias comerciais, situados num terreno de área 15.198,00m², totalizando área construída 69.673,00m².

 

 

O projeto demonstra os processos de desenho arquitetônico com o método BIM, os resultados de uma visualização 3D, a noção de ferramentas computacionais e sua capacidade de utilizar tais ferramentas que unem a representação gráfica com a representação artística, e, principalmente, que não existem limites para um desenho complexo, seja retilíneo ou curvilíneo, em determinado software dentro da prática da arquitetura contemporânea e sustentável.

 

O curso acontecerá em São Paulo nos dias 03, 04 e 05/05 das 09h00 às 18h00 e possui carga horária de 24 horas. Saiba mais! 

 

Falando em sustentabilidade, ninguém com mais propriedade que a Green Building Council (GBC) Brasil - ONG que tem a missão de transformar a indústria da construção civil e cultura da sociedade em direção à sustentabilidade através de 4 pilares: Educação, Informação, Certificação e Relações e Fomento. Você já deve ter ouvido falar da certificação Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), não é? 

A GBC está com vagas abertas para o curso de EnergyPlus - O EnergyPlus é um programa de simulação térmica e energética de edificações integrada com os seus sistemas. Através do EnergyPlus pode-se desenvolver estudos para melhoria da eficiência energética de edificações existentes ou em fase de projeto. 

 

Relacionado

Pensando de forma sustentável, a Carolina Araújo desenvolveu o Template Eficiência em Edificações.

O template  visa melhorar a visualização dos dados e informações sobre o projeto, permitindo compreender e participar ativamente do processo de projeto, bem como, busca contribuir para melhorar a eficiência e qualidade da construção civil, com a intenção do melhor aproveitamento das ferramentas e dos elementos construtivos. Assim sendo, é possível organizarmos todas as etapas de projetos, o fluxo de trabalho e informações através da estrutura organizacional do Template, o qual possibilita o desenvolvimento de metodologias de gestão que facilitam o trabalho colaborativo. 

Dúvidas, sugestões ou comentários?

Translate »
%d blogueiros gostam disto: